Seguidores

Em homenagem à Jurema

Em homenagem à Jurema
Caminhada de Terreiros em 2009

quarta-feira, janeiro 05, 2011


Um desabafo escrito para um amigo.
Em 1983 quando meu orixá Ogum saiu debaixo de um alá, prometi a Oloorum que defenderia minha fé pelo resto dos meus dias e assim me ponho orando à navalha, de meu pai Brivaldo de Xangô e mãe nice de oxum( já falecidos). Hoje tenho a honra de ter como zelador de meu orixá pai Yguaraci, Mãe Dora e mãe Marly, e com muito amor respeitando mãe Zefinha e pai Rubens que firmaram meu principe na mesa da jurema e me levaram junto com minha mãe avó pra mata do Curado para "dar de comer" à boca da mata e plantar meus copos ainda criança , cama de encanto etc, todo o do ritual...Fui preparado primeiro na jurema; e hoje quando vou para as caminhadas e seminários da vida não vou me exibir! Vou exibir minhas raízes. Acreditam que tem pessoas que dizem até asneiras do tipinho: "ele não é feito";  "ele nem é daqui"; "ele tá se exibindo" Tudo isso sem saber de minha história... Mas graças a Deus sempre tem alguém como mãe Terezinha Bulhões, Luiz sargento que inclusive é meu irmão de santo de mesmo pai e mãe na época... Eurides de Xangô que é minha vizinha a mais de 28 anos; Seu lula da UR 1; Dejair da casa de tio Mercival(já falecido); seu Hermes do Ibura o qual o terreiro era em frente do de madrinha Zefinha; Manoel papai do sítio Josemar do Pina, dentre outros que conhecem minha história, inclusive de obrigações como a Eurides de Xangô; Ijupiara alabé da casa de Léo dentre outros que podem falar sobre mim e minha conduta ilibada dentro da nossa religião. Não sou bem quisto por aqueles que usam a Jurema para a baderna ou o orixá pra dar oque nem receberam... Tive  a honra de conviver com  pessoas como Edinho baléia yemanja tolofim, Mário Miranda, Fausto de Prazeres, Maria pequena tambem de Prazeres, seu Aluízio do Jordão,  Valdemar de Yemanjá ataramangbá  (esse o babalourixá mais famoso do Ibura nos anos 70 80 90 que tive a honra de acolher no pegi da minha casa seu xiré completo quando esse vendeu sua casa  aqui no Ibura e pediu pra guardar em minha casa de orixá tão honrados apetrechos durante 4 anos) Esse valdemar (já falecido) era filho de tio Mercival, e não é por ter morrido que estou falando; pois basta procurar Dejair.niel, tio Carlinhos e perguntar sobre tal fato, esses estão vivos e podem contar sobre a veracidade dos fatos...Digo isso porque vemos por muitas vezes gente dizendo há fiz santo com mãe fulana e pai cicrano eles já morreram e ninguém ver fotos ou testemunhas. Eu tinha fotos daquelas de binocúlos pequenos do homem que tirava fotos num cavalinho de pau lembra? Que por imperícia de alguns familiares jogaram fora... mas ainda tenho algumas... Essa é minha historia conto-a num desabafo,por que esse povinho enche o saco, às vezes nem procura saber a história dos outros e só sabem querer enxovalhar. Mas temos que seguir em frente lutando com nossas conviccões, que são mais inportantes que dinheiro. É nossa honra, isso tenho de sobra graças a Deus . Muitos que torciam o nariz e que nos criticaram na caminhada de terreiros por usar o cachimbo hoje nos abraçam. Uma boa parcela desse povinho diz há eu sou filho do sítio ;da casa de seu Raminho; da casa de mãe fulana e nem passou por lá. Eu não tenho essa frescura não sou do sitio não sou vaca nem boi (com todo respeito ao sítio) mas digo isso porque muitos não passou por uma sansanha, por um bory ou um obi e se acha por ser conhecido de lá ou parentesco... Umas das coisas que se passa no sangue é sífiliz ou AIDS, pra mim tem que lavar contas sentar pra boury etc quem não recebeu não pode ofertar, pois se eu não trago o meu a terra como posso trazer os dos outros?Abraços de seu irmão de Ogum e da jurema; e vamos mandar ver esse ano com Malunguinho se Tupã quiser .

São páginas que merecem ser lidas.